sexta-feira, junho 12, 2015

Mulheres passam a trabalhar como garis: avanço da "emancipação feminina": 1975.

O ano de 1975 - ou seja, há exatamente quatro décadas - foi declarado pela ONU como "o ano da mulher", e muitos eventos marcaram aqueles dias em que o "belo sexo" já conquistava importantes avanços em todas as áreas, mas nada comparável com o que se verifica hoje. Em um tempo em que ainda se usava cabelos compridos e se trajava calças boca-de-sino e o Brasil vivia o regime de exceção, alguns prefeitos resolveram "ousar", contratando - vejam só - mulheres para o serviço de limpeza das ruas. O fato de, pela primeira vez, haver garis do sexo feminino virou notícia em todos os jornais, atestando a "emancipação" da mulher brasileira... Como se vê, outros tempos.Reprodução do CP.

quinta-feira, junho 11, 2015

Galos lutam "chapados" no tempo das rinhas

Houve uma época em que as brigas de galo, as rinhas, não só eram permitidas como se constituíam em um dos espetáculos preferidos da população gaúcha. Hoje consideradas ilegais, sujeitas à prisão em flagrante de quem lá estiver, as rinhas tinham nos "galistas" os profissionais especializados que criavam os galos, os selecionavam para as lutas e, não raras vezes, usavam de artifícios para que seus bichos se dessem bem na arena de combate, como se vê nesta matéria do Correio do Povo de 1975, em que um criador bastante inventivo "chapava"seus animais com maconha para que, alucinados, lutassem ainda com maior ferocidade.

quarta-feira, junho 10, 2015

Festival de cinema de Gramado em 1976: futilidades e discussão da profissão de ator.


Há 39 anos o Festival de Cinema de Gramado, então em sua quarta edição, ainda durante o regime ditatorial, acontecia no mês de janeiro, nesta cidade da Serra gaúcha cujos principais encantos se revelam justamente no inverno. O quarto festival foi um dos mais badalados e comprovava que, decididamente, o evento se consolidava como o principal em seu gênero no País. No Hotel Serrano, com sua disputada piscina, a nata da sétima arte nacional badalava, namorava e dava entrevistas como se fossem astros de uma holiúde tupiniquim. Os homenageados daquele ano foram Grande Hotel e Alberto Cavalcanti, mas a dupla que mais chamou a atenção, pela beleza, foi a modelo e, digamos, atriz Rose di Primo e aquele que era considerado "o homem mais bonito do Brasil", Pedro Aguinaga. Futilidades à parte, o festival daquele ano teve também discussões sérias, como a que envolveu o então ministro do Trabalho, o gaúcho Arnaldo Prieto, que foi lá discutir a regulamentação da profissão de ator - que que, incrivelmente, ainda não existia. 

segunda-feira, junho 08, 2015

Primeiro Campeonato Gaúcho de Surf: fevereiro de 1968, na Praia da Guarita



1968. Esse foi um ano histórico para o surf gaúcho, que organizava o seu primeiro campeonato estadual de um esporte que, como diz a matéria, já estava sendo praticado em muitas partes do mundo e para cuja prática  - esclarecia didaticamente o jornal - "é necessária a presença da onda". Realizado em fevereiro daquele emblemático ano - portanto, há 47 anos - o primeiro campeonato estadual aconteceu na praia da Guarita, em Torres, e contou com a participação daqueles que hoje podem ser considerados os dinossauros de tal esporte, geralmente de famílias abastadas do Rio Grande do Sul. O grande vencedor foi Marco Antonio Silva, então com 26 anos. A promoção era da Companhia Jornalística Caldas Júnior e da Ipiranga. Quem visualizar estas reproduções - hoje muitos devem ser vovôs - certamente sentirá no coração uma deliciosa onda de nostalgia. Dentre eles João Johanpetter, João Streibel e outros cujos nomes estão aí.

Alvorada pede um único telefone para contatar com o mundo: 1966

Se hoje até carroceiro tem telefone celular, capaz de falar com qualquer parte do mundo, a qualquer hora e dia, no passado nem tão remoto a realidade era bem outra. Quem lembra daqueles tempos não sente saudade. Em 1966, por exemplo, o município de Alvorada, coladinho a Porto Alegre, estava sem nenhum - isso mesmo - telefone capaz de contatar com outros cantos do mundo, como se vê nesta matéria do Correio. Eram os tempos da famigerada Companhia Riograndense de Telecomunicações, a CRT, estatal totalmente incapaz de resolver um problema que, nos dias de hoje, os jovens nem imaginam que tenha existido.

Tiroteio no comício dos integralistas: 1937

Na noite de 9 de agosto de 1937 a capital gaúcha assistiu a um forte tiroteio por motivos políticos, quando um popular, talvez simpatizante do comunismo ou do socialismo, atirou contra participantes de um comício da Ação Integralista Brasileira dos "camisas-verdes". de Plínio Salgado Em uma época de forte radicalização política entre direita e esquerda, e quando a guerra civil espanhola matava milhares de pessoas, o Rio Grande do Sul não ficaria imune a tal estado de coisas. O tiroteio aconteceu na avenida Osvaldo Aranha e teve uma vítima fatal, como se vê nesta notícia. Note-se que, a 10 de novembro daquele ano, Getúlio anunciou a ditadura do Estado Novo e, no ano seguinte, os integralistas tentaram um golpe, no qual Vargas quase morreu.