sábado, julho 22, 2017

Chapecó em 1972, uma cidade que já antevia o seu extraordinário desenvolvimento

Hoje com mais de 200 mil habitantes e uma das economias mais ricas e prósperas do sul do Brasil, Chapecó, no oeste catarinense (mais de 400 km de Florianópolis), naquele início dos anos setenta, já havia encerrado o ciclo da madeira, a época pioneira da derrubada de vastos pinheirais, nas primeiras décadas do século vinte - ciclo este que viria a formar o capital inicial que impulsionou o seu extraordinário desenvolvimento. Prestes a completar 100 anos de emancipação - o que acontecerá no próximo dia 25 de agosto - Chapecó é considerada um dos cinco mais importantes municípios de Santa Catarina e ostenta os títulos de "capital da agroindústria" e "capital das feiras de negócios". Grandes empresas de alimentos,  sobretudo no ramo de suínos e frangos, estão instaladas na cidade que se tornou, mais recentemente, conhecida dos noticiários internacionais pela tragédia que se abateu sobre o time local de futebol em sua viagem aérea para a disputa da final da Copa Sul Americana de futebol.
Na foto uma vista de Chapecó em 1972 - 45 anos atrás. Reprodução do Correio do Povo.
Alecrim, em A Charge Online.

quinta-feira, julho 20, 2017

Venda moderna e pra frente, com tutu bom. Vamos transar juntos? Joia bicho!

Os tempos passam, e as gírias de antigamente caem em total desuso - quando não se tornam até mesmo ridículas. Em 1972, na época das pantalonas e das jaquetas apache, uma loja de Porto Alegre (Moka do Kanto) publicou um anúncio "moderninho", apelando para a linguagem usual dos jovens urbanos da época, com expressões que fariam qualquer homem ou mulher dos dias atuais (incluindo os hoje sessentões) dar risos de bem humorada zombaria. Jóia, bicho, xuxu beleza, é isso aí amizade, vamos transar juntos (que na época não tinha significado sexual e sim o de interação ) expressões assim ficaram mais do que "quadradas" - simplesmente se tornaram ridiculamente infantis. Reprodução do Correio do Povo.

Sarah Vaughan em Porto Alegre: 17 de outubro de 1972



Na noite de 17 de outubro de 1972 os porto-alegrenses assistiram a um show que se tornaria histórico - pela primeira (e única) vez uma das grandes damas da música norte-americana, Sarah Vaughan, vinha a Porto Alegre, em uma única apresentação no antigo Teatro Leopoldina, na avenida Independência, local que era, à época, a principal casa dos bons espetáculos na capital gaúcha, já que o Teatro São Pedro estava decadente e em vias de ser fechado.  Sarah tinha lançado, naquele ano, mais um disco. Aos 48 anos, sua carreira havia sofrido altos e baixos, mas ela - nascida em março de 1924 e que viria a falecer em 3 de abril de 1990, devido a um câncer de pulmão - continuava a ser uma das grandes vozes e intérpretes da música mundial. No final daquela década de 70 Vaughan lançaria outro trabalho, reunindo músicos brasileiros, em especial da bossa-nova. O show no Leopoldina foi gravado pela Rádio Guaíba - ela veio patrocinada pela Companhia Jornalística Caldas Júnior e pelo governo do Estado - e apresentado no programa Discorama, de Osmar Meletti. Não seria má ideia achar tal preciosidade nos arquivos da Guaíba e reapresentá-lo 45 anos depois.

quarta-feira, julho 19, 2017

Alecrim, em A Charge Online.

Jornadas Esportivas Ipiranga: o auge da Rádio Guaíba de Porto Alegre

Em 1972 a rádio Guaíba, de Porto Alegre, era uma das mais ouvidas e respeitadas emissoras brasileiras (100 quilovates). Integrante da Companhia Jornalística caldas Júnior, presidida então por Breno Caldas, seu proprietário maior, a Caldas Júnior liderava, com folga, o setor de imprensa escrita e falada no Rio Grande do Sul, através da Guaíba, fundada 15 anos antes, e do Correio do Povo, o mais importante jornal da região Sul do Brasil. As transmissões esportivas contavam com um time de bons e tarimbados jornalistas e radialistas, muitos deles já falecidos, os quais acompanhavam, fosse onde fosse, os jogos da dupla Gre-Nal. Nesta reprodução das páginas do Correio vemos o anúncio de dois jogos pelo campeonato brasileiro de então, um em Natal, no Rio Grande do Norte, e o outro no Rio de Janeiro. As Jornadas Esportivas Ipiranga contavam com o patrocínio da empresa Ipiranga, uma refinaria de petróleo nascida no Rio Grande do Sul e com inúmeros postos de revenda em todo o País.

terça-feira, julho 18, 2017

OVNIs avistados em São Leopoldo, em setembro de 1972, por dois jovens do Jardim América

A presença de Objetos Voadores Não Identificados sempre foi notícia no mundo todo, a partir do final da década de 40, quando se falava nos tais "marcianos" e nos "homenzinhos verdes" que, talvez, fossem hostis e estivessem a fim de invadir e dominar a terra. Em plena Guerra Fria, tal fenômeno logo encontrou ressonância nos filmes de Hollywood que se tornaram célebres e hoje são cult. O Rio Grande do Sul sempre registrou um grande número de ocorrências. Em setembro de 1972 - 45 anos atrás - dois jovens de São Leopoldo compareceram à redação do jornal Correio do Povo, de Porto Alegre, para relatar um desses casos, como se vê nesta reprodução. 
Myrria, em A Crítica, Amazonas. A Charge Online.

domingo, julho 16, 2017

Chico Buarque censurado por sua "linguagem rasteira"

Como todos estão cansados de saber, Chico Buarque de Holanda, por suas posições políticas, sempre foi muito visado pelo regime militar, inclusive com vigilância permanente e presença de agentes da repressão em todos os seus shows. Também na hora de compor o músico tinha que conviver com o temor de que a sua música, mesmo gravada, ou se gravada, jamais chegasse aos ouvidos do grande público brasileiro - pelo menos durante um bom tempo. A censura, em 1972, por exemplo, barrou a composição Partido Alto, por conter "linguagem rasteira, sendo também contrária aos interesses da terra e do povo brasileiro". Eram os tempos. Reprodução do Correio do Povo.
Pelicano, em Tribuna, SP. A Charge Online.