terça-feira, janeiro 04, 2011

Campanha da Wikipedia arrecadou US$ 16 milhões

Nesta segunda-feira, 3, usuários da Wikipedia encontraram uma nova mensagem no cabeçalho do site da enciclopédia virtual gratuita. É que nas últimas oito semanas, o topo da página remetia a um texto assinado por Jimmy Wales, co-fundador do empreendimento, solicitando recursos para manter Wikipedia no ar. Agora, Wales está agradecendo as colaborações recebidas no período – nada menos do que US$ 16 milhões (cerca de R$ 26 milhões).
“Caramba! O que posso dizer? Muito obrigado!”, diz a linha inicial do texto, na versão em português. Na versão em inglês, Wales afirma que o dinheiro doado será utilizado na manutenção de servidores e no desenvolvimento de novas soluções. O comunicado diz, ainda, que a Wikipedia é a quinta página na web mais acessada no mundo – 400 milhões de pessoas em dezembro – e tem 50 funcionários. A enciclopédia reúne hoje 19 milhões de artigos em 270 idiomas. O site sobrevive apenas com a arrecadação de usuários. A doação média foi de US$ 22. (Coletiva.net)
Faenfi realiza especialização em Enfermagem Pediátrica
A partir do dia 10 de janeiro a Faculdade de Enfermagem, Nutrição e Fisioterapia da PUCRS (Faenfi) começa a receber inscrições para o curso de especialização em Enfermagem Pediátrica. A atividade, voltada para enfermeiros, irá abordar temas como Enfermagem Pediátrica Clínica; Enfermagem Pediátrica Cirúrgica; Gerenciamento do Cuidado centrado na Criança, no Adolescente e na Família; Educação para a Saúde, entre outros.
Informações e inscrições no Centro de Educação Continuada, sala 112 do prédio 15 do Campus (avenida Ipiranga, 6681 - Porto Alegre), no site www.pucrs.br/educacaocontinuada ou pelo telefone (51) 3320-3727.

Informática e Educação promovem especializações à distância
Estão abertas as inscrições para os cursos de especialização, na modalidade à distância, "Educação à Distância, com Ênfase na Docência e na Tutoria em EAD" e "Informática na Educação". As atividades são promovidas pela Faculdade de Informática (Facin) e pela Faculdade de Educação (Faced) da PUCRS.
As aulas iniciam em abril e as inscrições podem ser feitas no Centro de Educação Continuada, sala 112 do prédio 15 do Campus (avenida Ipiranga, 6681 - Porto Alegre). Informações pelo telefone (51) 3320-3727 ou no site www.pucrs.br/educacaocontinuada.

Faculdade de Farmácia oferece especialização em Diagnóstico Laboratorial
A Faculdade de Farmácia da PUCRS está com inscrições abertas para o curso de especialização em "Diagnóstico Laboratorial". A atividade busca proporcionar uma qualificação diferenciada para a atividade em laboratórios de análises clínicas e aprofundar os conhecimentos específicos. Nas aulas serão abordadas disciplinas como Bioética e Legislação em Análises Clínicas; Diagnóstico Molecular; Gestão da Qualidade em Análises Clínicas; Administração e Marketing no Laboratório Clínico, entre outras.
As aulas iniciam em abril e as inscrições podem ser feitas no Centro de Educação Continuada, sala 112 do prédio 15 do Campus (avenida Ipiranga, 6681 - Porto Alegre) ou pelo site www.pucrs.br/educacaocontinuada. Informações adicionais pelos telefones (51) 3320-3727 ou (51) 3320-3933.

Últimos dias de inscrições para o Edital BPA/2011
Estão abertas até esta quarta-feira, 5 de janeiro, as inscrições para a submissão de projetos ao Programa de Bolsa/Pesquisa para alunos da PUCRS (BPA/Pesquisa). Neste ano foi criado um novo Edital: o Proat, que acolherá projetos voltados para apoio técnico às estruturas institucionais de pesquisa e a periódicos científicos editados pela Editora Universitária da PUCRS (Edipucrs).
Informações estão disponíveis no site da Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação (www.pucrs.br/prppg), link "Pesquisa", opção "Iniciação Científica/Programa de Bolsas-BPA/PUCRS". Esclarecimentos também poderão ser obtidos de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h45min, no Espaço de Iniciação Científica, sala 111 do prédio 15 do Campus (avenida Ipiranga, 6681 - Porto Alegre), pelo telefone (51) 3353-7719 ou pelo e-mail ic.prppg@pucrs.br.
Novas atividades no Parque Esportivo
O Parque Esportivo da PUCRS está com novidades para os seus usuários. Além da ampliação da academia de ginástica e implantação de novas modalidades esportivas, foram abertas novas turmas na escola de natação.
A academia agora conta com nova sala de ginástica e com as modalidades de corrida orientada, dança de salão e ginástica para terceira idade.
Na escola de natação, foram abertas novas turmas de deep water (segundas, quartas e sextas-feiras, às 13h45min), hidroginástica para gestantes (terças e quintas, às 20h) e hidroginástica para terceira idade (segundas e quartas, às 14h).
Alunos, funcionários e diplomados da PUCRS têm desconto nas atividades do Parque Esportivo. Informações adicionais pelo telefone (51) 3320-3622 ou no site www.pucrs.br/parqueesportivo.
Foto de Pierre Verger
Foto de Henri Cartir-Bresson

Nescau existe desde 1932 e foi criado no Brasil


Nescau existe até hoje - sucessivas gerações já consumiram este produto, em criança. Nesta gravura vemos uma antiga publicidade de Nescau, possivelmente dos anos 50.

Clique na imagem para ampliá-la.*


Totalmente desenvolvido no Brasil, Nescau é líder nacional no mercado de achocolatados instantâneos. Sua história começa em 1932, quando o produto - feito aqui - foi lançado, pela Nestlé, não somente no Brasil como na Itália, Espanha, Argentina e França.
Inicialmente, a Nestlé não investiu em sua publicidade, e colocou seu nome de "Nescáo", recomendando-o às mães preocupadas com a nutrição de seus filhos. "Nescáo, fortifica, alimenta e engorda", era então o slogan.Embalado em uma lata de aço, teve seu nome mudado para o atual Nescau em 1954, já que a maioria das pessoas confundia o acento, lendo e pronunciando o nome como "Nescão".

Tiririca não teve pai e passou fome no Nordeste


Ele é feio (já foi desdentado), nordestino, semi-analfabeto ou mesmo analfabeto funcional, não gosta de cinema, não vai ao teatro, nunca leu nenhum livro e seus ídolos são Zico, Fábio Júnior e Roberto Carlos. Religioso, é devoto de Nossa Senhora Aparecida e tem sangue mestiço – filho de mãe negra e pai desconhecido.Seu nome: Francisco Everardo Oliveira, 43 anos, o “Tiririca” – aquele que aparecia no programa “O Infeliz”, de Tom Cavalcante, uma sátira ao programa de Roberto Justus, “O Aprendiz”, na rede Record, e que nas últimas eleições foi o deputado federal com maior votação em todo o Brasil. Cearense, Tiririca é uma espécie de Chaplin subdesenvolvido, do quarto mundo, se é que a comparação pode, em algum momento, ser válida.
Mas a sua cara de coitado, de cachorro surrado, de pobre-diabo, não é mera coincidência e tem tudo a ver com a história da sua vida – antes do estrondoso sucesso de “Florentina” (Florentina, Florentina, Florentina de Jesus, não sei se tu me ama”), em 1996. Em apenas três meses, no inverno daquele ano, tiririca vendeu 320 mil discos e foi a campeã de execuções. Hoje, ele já não canta mais, mas seu rosto é conhecido de todos pela tevê. Não que alguém o leve a sério como artista, e, parece, ele nem o deseja.

O MACACO QUE DEU AZAR – Palhaço por profissão, Tiririca teve uma vida dura, logo que nasceu, na cidade de Itapipoca, Ceará. O pai fugiu quando sua mãe, Alice, ainda estava grávida, e esta – que trabalhava no circo – logo depois casou-se com um palhaço, o Palhaço Barata.

O menino Everardo viveu em barracas até completar 16 anos, quando assumiu o nome de Palhaço Tiririca e foi à luta sozinho, passando a trabalhar em um circo que havia vindo de Minas Gerais.

Neste circo, ele conheceu a filha do dono, uma acrobata de nome Márcia Rogéria, com quem passou a viver e trabalhar juntos.Os dois passaram por vários circos e até fundaram um que, nos anos 80, percorria o interior do Ceará, Piauí, Maranhão e Pará, no estilo “Bye-Bye Brasil”, o filme. O circo, conta-se, era tocado só pelo casal que, para fingir haver um elenco maior, trocava de roupas, disfarces e de voz inúmeras vezes. Assim, foi não apenas palhaço como acrobata, malabarista, locutor, tudo.

Os dois viveram assim por sete anos, conseguindo progredir e até comprar o primeiro animal para o circo – um macaco-prego.

Esse macaco, porém, não trouxe felicidade e nem dinheiro à Tiririca e sua mulher. Pelo contrário: um dia, em uma cidade do Maranhão, o bicho mordeu um garoto. Para cúmulo do azar, o menino era filho de um chefe político local. No dia seguinte, os capangas do coronel botaram fogo no circo e o casal só conseguiu salvar-se a si mesmos e a sua filha, de três anos de idade, além de resgatar uma televisão.

Voltaram de carona para Fortaleza e, lá, em uma cidade onde os humoristas são celebridade, tornou-se humorista, trabalhando em bares, ruas, qualquer lugar.

Na Capital, passou a usar uma peruca loira e a exibir o seu sorrido sem um dente frontal – uma marca por muitos anos.

BETO CARRERO DEU UMA FORÇA - Deu para ganhar algum dinheiro: comprou uma casa, tinha carro, telefone fixo e celular. Detalhe: sua casa não tinha água encanada, nem forro, e estava em um terreno invadido. Coisas da vida de palhaço.

Como acontece com quem quer fazer sucesso, especialmente os nordestinos, Tiririca veio para o Sul, como eles chamam o Sudeste. Quem primeiro percebeu o potencial do artista foi Beto Carrero, já falecido, que assistiu um show do palhaço em uma pizzaria de Fortaleza. Gostou tanto que mandou gravar um vídeo e o apresentou a emissoras e gravadoras. Todos responderam um sonoro “não”, e fecharam suas portas. Mas o produtor musical Arnaldo Sacomani – o mesmo que apresentou os Mamonas Assassinas à gravadora japonesa EMI – conseguiu o primeiro grande contrato, justamente com a mesma. Ficava com 30% do cachê de Tiririca.

O sucesso veio rápido e Tiririca passou a percorrer o Brasil fazendo shows, aliás de muito agrado das crianças.Em 1996, seu ano de ouro, Tiririca, quando estava em São Paulo, morava numa casa de 15 cômodos, seis banheiros e piscina, na Granja Viana, um bairro chique. Pagava 3.500 reais de aluguel, mas não morava sozinho – trouxe mais 18 colegas e formou uma república, estilo o sítio dos Novos Baianos dos anos setenta. A mulher, filhos, a sogra, a equipe de produção, todos moravam com ele.

Depois de Florentina, Tiririca gravou uma outra música que lhe rendeu incomodações e fez com que respondesse a acusações de racismo. Era “Veja os Cabelos Dela”, e tinha trechos como este: “Essa nega fede/fede de lascar/bicha fedorenta/fede mais que um gambá”. Logo ele, filho de uma negra.

Tiririca defendeu-se, dizendo ser uma brincadeira e uma referência à sua mulher, (da qual se separou com estardalhaço algum tempo depois). A própria confirmou que sempre foi complexada por ter cabelos crespos. Quanto ao mau cheiro, ele diz ser coisa da vida do circo. “É que a vida no circo é muito dura, e ele não tinha tomado banho naquele dia, aí tirei esse caco”. (Pesquisa e texto V. Minas)

Pânico nos EUA: 1938, Orson Welles, o poder do rádio e o medo dos "marcianos"


Além de ator e cineasta genial, Orson Welles protagonizou um dos mais conhecidos episódios de pânico coletivo já registrados nos Estados Unidos.

Foi em 1938, 30 de outubro, data que, nos EUA, é uma espécie de primeiro de abril brasileiro - o dia dos bobos, das brincadeiras e dos trotes.No caso, levava-se ao ar a adaptação do famoso livro de H. G. Wells, The War of the Worlds, "A Guerra dos Mundos", publicado no ano de 1989 e um dos clássicos dos primórdios da ficção científica, narrando a invasão da Terra por seres alienígenas - marcianos, no caso.

Na época acreditava-se na existência de uma civilização marciano e nos famosos "canais" do planeta vermelho.Nesse dia, por volta das 8 horas da noite, a emissora Columbia Broadcasting System, CBS, de Nova Iorque, passou a transmitir ao vivo a adaptação do romance encenada no The Mercury Theatre. Super-realista, muito bem feita, a peça - uma adptação de Howard Koch - foi tida como um fato verdadeiro, embora vários avisos, antecedendo o programa e mesmo ao longo deste, avisassem que aquilo era apenas ficção.

Não adiantou: mal o "Theatre Mercy" iniciou a sua introdução padronizada, tocando músicas de dança, muito ouvidas em hotéis e salões de baile, a música cessou e entrou a voz de um locutor: "Senhoras e senhores, interrompemos a nossa programação de dança para um boletim especial da Intercontinental Rádios News. Aos 20 minutos para as 8 horas, o professor Farrel, do Observatório do Monte Jennings, em Chicago, comunicou haver observado uma série de explosões de gás incandescente a intervalos regulares no planeta Marte. O espectroscópio indica que o gás é hidrogênio e se dirige para a Terra com fantástica velocidade (...)"Minutos depois, a música seria interrompida novamente para outros boletins, dando conta de que o Governo norte-americano havia solicitado aos observatórios que viagiassem Marte, uma vez que um astrônomo canadense havia confirmado as explosões iniciais e que um abalo, "quase da intensidade de um terremoto" havia ocorrido perto de Princeton. Em breve as informações se tornaram mais alarmantes: "Informa-se que um enorme objeto flamejante, possivelmente um meteorito, caiu numa fazenda nas vizinhanças do Grovers Mill, Nova Jersey. O rastro de luz no céu foi visto num raio de centenas de quilômetros, e o impacto foi ouvido em Elisabeth, muito ao norte".O pânico começou a se instalar entre ou ouvintes, que julgavam tratar-se de autênticos boletins jornalísticos, tanto que várias pessoas pegaram seus automóveis e saíram a procurar o local da queda, incluindo aí o próprio diretor do Departamento de Geologia da Universidade de Princeton. O próximo informe era ainda mais alarmante: "O flamejante objeto que caiu do céu não era meteorito, mas um enorme cilindro de 30 metros de diâmetro, semi-enterrado numa cratera. O professor assegura que o cilindro é, positivamente, extraterrestre".Quando isso foi levado ao ar, os telefones da polícia e dos jornais de inúmeras cidades começaram a estrilar histéricamente, com multidões apavoradas perguntando se aquela história era verdadeira - só o Times recebeu 875 chamadas. O mesmo aconteceu com o escritório da Associated Press de Kansas City.
As ligações vinham de diferentes cantos do país - Los Angeles, Salt Lake City, do Texas. Algumas pessoas asseguravam ter visto as chamas e um velhinho, vestindo apenas pijama, correr para a casa do vizinho, dizendo "não querer morrer sozinho." Em bando, congestionando todas as vias de saída da cidade, os nova-iorquinos amontoavam-se em seus carros para fugir da "invasão marciana". Alguns homens se ofereceram para lutar e "expulsar" o invasor e uma mulher tentou o suicídio ingerindo veneno - só não conseguiu pois o marido conseguiu tomar-lhe os comprimidos das mãos. Em algumas localidades do Alabama o povo se reuniu para rezar e centenas de médicos e enfermeiros se apresentavam para prestar serviços. Pessoas com crises nervosas, muitas delas em estado de choque, baixavam os hospitais - somente na localidade de Newark foram 15.

Nessas alturas o monstro marciano já tinha mostrado a sua cara e já fazia estragos incríveis. Conforme o programa "a batalha que teve lugar esta noite terminou com a nossa derrota (era a voz de um capital do Exército) (...) Sete mil homens esmagados pelos pés de metal do monstro ou reduzidos a cinzas pelo raio quente. (...) O monstro domina a parte central de Nova Jersey (...) As estrada para o norte, para o sul e para o oeste estão congestionadas pelo tráfego humano".O invasor marciano era mesmo de aparência apavorante - uma espécie de serpente cinzenta, se arrastando sobre tantáculos, a boca em forma de V, "com as salivas pingando dos lábios sem borda, que parecem tremer e pulsar."Orson Welles, apesar de já conhecido em seu País, ganhou notoriedade mundial com o episódio da "invasão dos marcianos". Ele contava apenas 28 anos de idade e ainda não havia feito o seu célebre filme - Cidadão Kane, de 1941. De qualquer forma a "invasão alienígena" de 1938 mostrou a que ponto as pessoas são influenciáveis e, de certa forma, como isso é contagioso.

A trágica morte do Senhor Diretas, há 18 anos


Angra dos Reis, litoral do Estado do Rio. Segunda-feira, 12 de outubro de 1992, feriado da padroeira do Brasil (Nossa Senhora Aparecida) e Dia da Criança. O tempo está ruim, com chuvas, trovoadas e ventos naquela região da costa sul fluminense quando o deputado Ulysses da Silveira Guimarães, 76 anos, sua esposa Mora, e mais o casal Severo Gomes (ex-ministro, ex-senador) e Henriqueta partem de volta a São Paulo. Dirigido pelo experiente piloto Jorge Comeratto, o helicóptero de prefixo PT-HMK, emprestado pelo empresário paulista Jorge Chammas Neto (Moinho São Jorge), é avistado pela última vez meia hora depois da partida, por volta das 17 horas, voando baixo, a cerca de 50 metros acima do nível das ondas, costeando o litoral, abaixo de uma impiedosa chuva de granizo.
O industrial Arthur Vicintin Neto - que tem casa ali e pescava naquele momento - avistou a aeronave tentando romper a barreira das espessas nuvens que tomavam conta do céu: "O piloto ciscava, procurando um buraco no meio das nuvens", lembraria ele mais tarde. Naquele momento sopravam ventos de mais de 100 quilômetros por hora e só por milagre não aconteceria uma tragédia.O milagre, porém, não aconteceu: as forças da Natureza foram mais fortes e em breve o Brasil saberia que o líder máximo das oposições durante o regime militar, o Senhor Diretas, o Anticandidato a Presidente da República, Ulysses Guimarães, estava morto, junto com todos os demais ocupantes do helicóptero.A morte de Ulysses (até hoje o corpo, ou o que dele sobrou, não foi encontrado) representou, de certa maneira, o fim de uma era. Calvo, de voz grave, incisivo e destemido, o Senhor Diretor personificou a intransigente oposição ao regime de arbítrio que se instalou com o AI-5. Democrata, de tendências moderadas, o paulista Ulysses Guimarães elegeu-se deputado estadual em 1947, quando contava apenas 30 anos de idade. Em 1950 tornou-se deputado federal, também por São Paulo. Em 1956 foi escolhido presidente da Câmara Federal e, em 1961, no curto gabinete parlamentarista de Tancredo Neves, tornou-se ministro da Indústria e Comércio. Com o golpe militar de 1964, Ulysses - que, discretamente, apoiou o movimento - parecia estar marchando para um direto apoio à chamada "revolução". Porém, ao constatar que a volta à democracia não estava entre as prioridades dos militares e que muitos atos de arbítrio já estavam sendo praticados, Ulysses - advogado por formação - imediatamente bandeou-se para as hostes oposicionistas - ele, que tinha sido do PSD, enfileirou-se com o recém criado Movimento Democrático Brasileiro, o MDB. Candidato por este partido (então rebatizado de PMDB) na primeira eleição direta do período da redemocratização, amargou o quinto lugar na contagem final dos votos, não tendo sequer ido ao segundo turno.A morte de Ulysses - que havia ido passar o final de semana no litoral de Angra, mais exatamente na casa do empresário Luis Eduardo Guinle - encerrou uma carreira política de quatro décadas, com onze mandatos consecutivos, vigorosos pronunciamentos em favor da democracia e um estilo incandescente de oratória que marcou época. Com ele, no mesmo vôo, desaparecia outra figura destacada da oposição ao regime militar, regime ao qual, curiosamente, serviu em seu início - o ex-ministro da Agricultura do governo Castelo Branco, ministro da Indústria e Comércio de Ernesto Geisel, ex-secretário de Ciência e Tecnologia do governo paulista de Fleury Filho, o ex-senador Severo Gomes. Udenista por formação, Severo desencantou-se com a Revolução de 1964 e, em 1979, bandeou-se para a oposição. Franco e direto, reconhecia ter mudado, "tarde, mas não demasiado tarde".(Pesquisa e texto V. Minas)