sábado, setembro 16, 2017



Hoje Andréa Beltrão faz 54 anos, Carolina Dieckmann 39 e Mickey Rourke 65.

Presidente da ABL garante: enquanto eu for vivo, mulher aqui não entra

Se hoje a presença da mulher é absoluta em todos os setores da vida brasileira, tempos atrás isso era visto como, no mínimo, algo estranho, quando não recebia a mais peremptória objeção, como se vê nesta nota do Correio do Povo de agosto de 1972: segundo a notícia, o acadêmico e presidente da Academia Brasileira de Letras, Austregésilo de Athaíde, simplesmente não admitia a presença do belo sexo na instituição criada por Machado de Assis. Vista hoje de forma humorística, a nota reflete o pensamento dominante em uma época não tão distante assim. As coisas, porém, evoluíram: cinco anos depois, em agosto de 1977, a escritora cearense Rachel de Queiroz se tornou a primeira mulher a ser eleita para a ABL, dando fim a um tempo em que somente os homens eram admitidos na casa. "Enquanto eu for vivo, mulher não entra para a Academia", teria dito Austregésilo. O presidente, no entanto, teve de voltar atrás - da posse de Rachel, e até 1993, data da sua morte, viu muitas coisas mudarem no Brasil e no mundo. Quanto a Rachel, morreu em 2003, aos 92 anos de idade.

quinta-feira, setembro 14, 2017

Myrria, em a Crítica, Amazonas. A Charge Online.

Quando as letras k, y e w eram proibidas para as crianças brasileiras

Em um país  como o Brasil, que tem os nomes mais esdrúxulos e inverossímeis do mundo, até bem pouco tempo atrás era vedado a qualquer pai ou mãe colocar as letras w, y e k no nome do recém nascido registrado em cartório - aliás, os próprios cartórios não aceitavam. Mas isso, bem ou mal, foi revogado como norma legal e hoje há um festival das três letras em milhares de crianças brasileiras - Wesley, Wellyngton, Kekeilson . Maykel, etc. Nesta reprodução do Correio do Povo, de 1972, historia-se o início de tudo: o ano de 1931, logo depois que Getúlio Vargas chegou ao poder com sua ideologia nacionalista. O uso dessas três letras foi eliminado da língua portuguesa brasileira pela reforma ortográfica de 1943.