sábado, outubro 21, 2017


Hoje Lillian Witte Fibe e Marisa Orth completam 64 anos.

quinta-feira, outubro 19, 2017

Bruno Aziz, em A Tarde, de salvador, Bahia. A Charge Online.

terça-feira, outubro 17, 2017

Madame Bety, "cartomante mundial", garantia que podia "prever o passado": janeiro de 1935

Charlatanismo é algo que acompanha a humanidade desde o seu início, e, ao que tudo indica, assim será até o final dos tempos e enquanto o homem for humano. Se hoje há inúmeras "mães dinás" prevendo o futuro ou trazendo a "amada de volta em três dias", não era diferente em 1935, conforme vemos neste anúncio dos classificados do Correio do Povo, no qual uma "cartomante mundial" chamada Madame Bety garantia - aí está a inovação - não apenas prever o futuro como predizer "o passado", além de fazer massagens etc etc. Ah, e ela ainda atende por correspondência...
Samuca, no Diário de Pernambuco. A Charge Online.

segunda-feira, outubro 16, 2017

Televisão "fixa" os maridos em casa, festejam as mulheres: novembro de 1951

A primeira transmissão de televisão no Brasil aconteceu em 18 de setembro de 1950, em São Paulo, com a TV Tupi pertencente aos Diários Associados de Assis Chautebriandt, seguida, um ano depois, pelo Rio de Janeiro, a capital federal. Foi um pioneirismo no Brasil e também na América do Sul, marcando a entrada do País em uma nova era tecnológica e dando a arrancada para tudo o que existe hoje - com mais de uma centena de milhões de aparelhos espalhados de norte a sul (em novembro de 1951 eram apenas 16 mil). A preto e branco, rudimentar, feita ao vivo, a televisão - caríssima em seu início - assumiu aos poucos um papel que ainda exerce: o de manter as pessoas em casa e "tirar" muitos maridos da rua, como se vê nesta reprodução do Correio do Povo, via agência Meridional, do Rio, de novembro de 1951. Note-se que o Rio Grande do Sul somente teria a sua primeira emissora do gênero no final de 1959, a TV Piratini, canal 5.

domingo, outubro 15, 2017

Tacho, no jornal NH, de Novo Hamburgo, RS. A Charge Online.

Nuvem de gafanhotos apavora os agricultores do Rio Grande do Sul e chega a Porto Alegre: outubro de 1947.



Uma das chamadas pragas descritas na Bíblia e que desde sempre assolaram a humanidade, devastando regiões agrícolas inteiras e trazendo fome e desespero, as nuvens de gafanhotos parecem, hoje, algo lendário e quase inverossímel para estes tempos tecnológicos, com as mais diferentes e poderosas formas químicas de combatê-los. Mas, há 70 anos - mais precisamente em setembro e outubro daquele ano - o Rio Grande do Sul experimentou os efeitos de tais insetos devoradores e que destruíram lavouras em cerca de 50 municípios, chegando até mesmo à Capital. A própria Brigada Militar foi mobilizada para combatê-los, como se vê nestas reproduções do Correio do Povo. Os gafanhotos encontravam então um mundo desaparelhado para enfrentá-los, já que não havia DDT ou outros agrotóxicos - agrotóxicos estes que, embora benéficos em tantos pontos, são por si mesmo outros venenos a atentar contra a natureza e as vidas humanas. A despeito do nosso espanto, tais fenômenos não são incomuns e aconteceram nos últimos anos no mundo como um todo, incluindo o Brasil.

sábado, outubro 14, 2017

Tramandaí, a capital das praias gaúchas, no distante janeiro de 1959

A Capital das Praias, como se autodenomina Tramandaí, estava longe de ser o que é hoje naquele distante janeiro de 1959 - 58 anos atrás. Mesmo assim, o balneário - tradicional havia décadas - já era um dos preferidos dos veranistas gaúchos, especialmente dos porto-alegrenses nos finais de semana, como se vê nesta foto que ilustra uma matéria a respeito publicada pela Revista do Globo em janeiro daquele último ano da década de 50. Carros, que hoje seriam cobiçados pelos colecionadores e aficcionados, estacionavam à beira das calçadas, aparentemente alheios ao perigo moderno dos furtos de veículos. Os homens e mulheres passeavam em pleno verão com calças compridas e saias, e os mais jovens preferiam, é claro, as lambretas.

Jane Fonda discursa em favor da paz e acusa do presidente Richard Nixon: 1972

Jane Fonda, além de uma belíssima mulher, foi, na sua atribulada e criativa juventude, uma ardente pacifista, posicionando-se contra a Guerra do Vietnã que então ensanguentava o sudeste asiático e, de quebra, matava e mutilava soldados norte-americanos. A estrela de Barbarella e outros filmes, a filha de Henry Fonda, chegou a ser presa e perseguida devido às suas posições políticas - ela posicionou-se a favor do regime comunista do Vietnan do Norte contra o seu próprio país, que considerava invasor, sendo considerada traidora por muitos e atraindo a ira dos conservadores em torno de Richard Nixon. Prestes a completar 80 anos - o que acontecerá no dia 21 de dezembro - ela depois se dedicou a produzir e divulgar vídeos sobre ginástica, isso nos anos 80. Hoje Jane vive principalmente em sua casa na cidade de Atlanta, EUA. 

sexta-feira, outubro 13, 2017

Hoje Raimundo Fagner está completando 68 anos.

Prefeito de Porto Alegre garante que vai resolver o problema das enchentes na capital

As chuvas que se abateram sobre Porto Alegre e grande parte do Estado nos últimos dias nunca foram novidades, sempre causaram problemas e prejuízos e, pra variar, sempre foram objeto das mais vivas e candentes promessas das autoridades municipais e estaduais - garantindo elas que o fenômeno teria fim dentro em breve, em função das obras que porventura seriam feitas. Em 1972, portanto, há 45 anos, o então prefeito nomeado Telmo Thompson Flores anunciava - e a imprensa dava destaque - que a capital gaúcha resolveria de vez o problema das enchentes. Thompson Flores foi o prefeito que realizou inúmeras obras na cidade, cobrindo-a, conforme disseram seus críticos, com um manto de cimento, sem levar em conta as áreas verdes. Justa ou injusta, a crítica encontra justificativa, ao menos, em algo que está sempre presente na boca dos políticos e governantes: a demagogia e as falsas promessas. O então prefeito de POA - já falecido - garantia então resolver o problema das enchentes na capital, o que, como estamos vendo, jamais aconteceu e talvez jamais aconteça. A reprodução é do Correio do Povo.

quinta-feira, outubro 12, 2017

Marinha norte-americana já admite mulheres em seus navios: 1972

Hoje a mulher está presente em quase todas as profissões, inclusive as militares, mas isso - no início dos anos setenta - ainda era um sonho relativamente distante. Em uma época em que se falava, imaginem, em "libertação" e "emancipação da mulher", elas sequer eram admitidas como garis para varrer as ruas das cidades e nem se sonhava que entrassem na polícia militar, por exemplo. Mas, 45 anos atrás, a marinha norte-americana começava a admitir mulher em seus navios. Isso quando ainda havia a Guerra do Vietnã e, no Brasil, o divórcio não existia.
Note-se que já se anunciava, para breve, a presença de mulheres na aviação dos Estados Unidos. A porteira estava escancarada.

domingo, outubro 08, 2017

Zop, em A Charge Online.

sábado, outubro 07, 2017

Quem toma mais chimarrão?, era a aposta daquele ano de 1934

Em junho de 1934, quando Flores da Cunha era o governador do Estado, o hoje chamado "gauchismo" não estava em voga e nem era muito bem visto - considerava-se isso coisa de gente grossa do interior, e somente no final dos anos quarenta, com Paixão Cortes e Barbosa Lessa, é que os "rio-grandenses" iriam assumir com orgulho sua cultura. Mas nem por isso o chimarrão era mal visto, como se observa nesta nota do Correio do Povo, em que se noticia um concurso de "quem toma mais chimarrão". Salvo engano, não há nada similar hoje.
Mariano, A Charge Online.

sábado, setembro 30, 2017

Os banho de rio na Porto Alegre de 1934

Em junho de 1934 o rio Guaíba - que muitos insistem em chamar de lago - era um rio relativamente limpo e propício ao banho. Naquela época a cidade de cerca de 250 mil pessoas não dava as costas ao Guaíba, como hoje ocorre. A zona sul da capital gaúcha já era explorada pelas suas belezas naturais e por suas praias os meses de verão. Como viajar até o litoral era uma aventura, naqueles tempos de poucas estradas, muita gente preferia ficar por aqui mesmo e desfrutar dos encantos de Ipanema e de outro bairro que surgia - o Espírito Santo. As imobiliárias e construtoras apregoavam, em anúncios de jornais, as vantagens de se adquirir um imóvel nestes locais, como se vê nesta reprodução do Correio do Povo. 

domingo, setembro 17, 2017

É isso aí, amizade!

Os tempos passam, e com ele também as gírias, como se vê neste anúncio da edição dominical do jornal Correio do Povo, de Porto Alegre, em outubro de 1972 - 35 anos atrás. Em uma época em que se usava calças boca de sino e correntões no pescoço, nada como ser "moderno" ao dizer "joia bicho", "é isso aí, amizade" ou "vamos transar juntos?" (que não tinha conotação sexual". A propaganda era de uma loja chamada Moka do Kanto. Alguém lembra?
Sid, em A Charge Online.

sábado, setembro 16, 2017



Hoje Andréa Beltrão faz 54 anos, Carolina Dieckmann 39 e Mickey Rourke 65.

Presidente da ABL garante: enquanto eu for vivo, mulher aqui não entra

Se hoje a presença da mulher é absoluta em todos os setores da vida brasileira, tempos atrás isso era visto como, no mínimo, algo estranho, quando não recebia a mais peremptória objeção, como se vê nesta nota do Correio do Povo de agosto de 1972: segundo a notícia, o acadêmico e presidente da Academia Brasileira de Letras, Austregésilo de Athaíde, simplesmente não admitia a presença do belo sexo na instituição criada por Machado de Assis. Vista hoje de forma humorística, a nota reflete o pensamento dominante em uma época não tão distante assim. As coisas, porém, evoluíram: cinco anos depois, em agosto de 1977, a escritora cearense Rachel de Queiroz se tornou a primeira mulher a ser eleita para a ABL, dando fim a um tempo em que somente os homens eram admitidos na casa. "Enquanto eu for vivo, mulher não entra para a Academia", teria dito Austregésilo. O presidente, no entanto, teve de voltar atrás - da posse de Rachel, e até 1993, data da sua morte, viu muitas coisas mudarem no Brasil e no mundo. Quanto a Rachel, morreu em 2003, aos 92 anos de idade.

quinta-feira, setembro 14, 2017

Myrria, em a Crítica, Amazonas. A Charge Online.

Quando as letras k, y e w eram proibidas para as crianças brasileiras

Em um país  como o Brasil, que tem os nomes mais esdrúxulos e inverossímeis do mundo, até bem pouco tempo atrás era vedado a qualquer pai ou mãe colocar as letras w, y e k no nome do recém nascido registrado em cartório - aliás, os próprios cartórios não aceitavam. Mas isso, bem ou mal, foi revogado como norma legal e hoje há um festival das três letras em milhares de crianças brasileiras - Wesley, Wellyngton, Kekeilson . Maykel, etc. Nesta reprodução do Correio do Povo, de 1972, historia-se o início de tudo: o ano de 1931, logo depois que Getúlio Vargas chegou ao poder com sua ideologia nacionalista. O uso dessas três letras foi eliminado da língua portuguesa brasileira pela reforma ortográfica de 1943.

domingo, setembro 10, 2017

Cazo, no Comércio de Jahu, SP. A Charge Online.

sexta-feira, setembro 08, 2017

A poderosa Rádio Farroupilha, a mais potente do Brasil em 1935

A Rádio Farroupilha de Porto Alegre foi inaugurada em 1935, ano dos incríveis festejos que comemoraram em todo o Estado os 100 anos da Revolução Farroupilha. A capital gaúcha, então com menos de 300 mil habitantes, era dirigida pelo intendente Alberto Bins, enquanto Flores da Cunha governava o Estado natal de Getúlio Vargas - o presidente brasileiro, vencedor da Revolução de 30. Em uma época em que o rádio florescia como o grande veículo de entretenimento e informação popular, a Farroupilha iniciava suas transmissões na condição da emissora mais potente do Brasil, com nada menos do que 25 kw de potência - que depois seriam ampliados para 50, competindo assim com as concorrentes argentinas. De propriedade do general Flores da Cunha, a Farroupilha foi inaugurada por nada menos do que Carmen Miranda e pelo cantor Mário Reis. Rica e poderosa, tinha uma orquestra própria e contratava artistas famosos de outros pontos do Brasil, e também da Argentina, para o seu "cast" exclusivo. A reprodução é do Correio do Povo. 

quinta-feira, setembro 07, 2017

Arthur Clarke faz palestra em Porto Alegre e visita o Banrisul: novembro de 1972



Em novembro de 1972 o escritor, cientista e inventor Arthur Clarke esteve em Porto Alegre, onde participou do Primeiro Congresso Brasileiro de Cibernética e Sistemas que aconteceu na Pontifícia Universidade Católica, PUC-RS. Então às vésperas de completar 55 anos, o inglês - mais conhecido por ser o autor do livro 2001, Uma Odisséia no Espaço, que virou filme de Stanley Kubrick - vinha do Sri Lanka, onde residia e onde veio a falecer em março de 2008, com mais de 90 anos - e deu entrevista ao Correio do Povo, manifestando sobretudo sua grande preocupação com a poluição do planeta Terra e os perigos que ela representa para a humanidade. Clarke, que era chamado de visionário por prever as inúmeras utilidades dos satélites geoestacionários na década de 60, e que hoje povoam as imediações da Terra, veio cercado de um enorme aparato de segurança e, cansado, acabou dormindo em um dos bancos do salão de espera do precário aeroporto Salgado Filho, ainda sem ar condicionado. Na capital gaúcha, o escritor visitou o Banco do Estado do Rio Grande do Sul, onde foi recebido pela diretoria. 

segunda-feira, setembro 04, 2017

Toninho, em o Jornal de Uberaba, MG. A Charge Online.

Rubem Braga homenageado pelos colegas jornalistas em Porto Alegre: outubro de 1935


Em 1935, o jovem jornalista e cronista Rubem Braga - já então um nome nacional na crônica brasileira, gênero em que ele se tornou o maior de todos - estava trabalhando em Porto Alegre, na Caldas Júnior, fugindo da repressão do Estado Novo, do qual era ferrenho opositor. O capixaba de Cachoeiro de Itapemirim ficou uns tempos por aqui, antes de voltar ao Rio, deixando muitos amigos, entre eles o também jornalista, escritor e intelectual Carlos Reverbel. Em outubro de 1935, durante as festividades do centenário da Revolução Farroupilha que galvanizou o Estado, recém chegado, Braguinha foi homenageado pela intelectualidade gaúcha, conforme noticiou o Correio do Povo. É de se espantar que Rubem Braga não contasse então com mais do que 22 anos de idade - um garoto, por assim dizer.

quinta-feira, agosto 31, 2017

Cazo, em o Comércio de Jahu, SP. A Charge Online.

Jane Fonda, aos 34 anos, militante pacifista e mulher belíssima

Jane Fonda é hoje uma senhora idosa. Mas quem lembra dela nos anos sessenta e setenta recorda de uma jovem artista e militante - belíssima e talentosa, por sinal - que se opunha com todas as forças a Guerra do Vietnan, chegando mesmo a defender as posições comunistas das tropas do Vietnan do Norte e dos vietcongs. Com o passar do tempo, e com a experiência e sensatez que a vida dá, ela afastou-se de qualquer radicalismo político e passou a ser mais conhecida por defender uma vida ativa e saudável, com muitos exercícios físicos. Prestes a completar 80 anos, em 21 de dezembro próximo, a eterna Barbarella de Roger Vadim, sex simbol e integrante de uma grande família de excelentes atores, aparece nesta matéria do Correio do Povo de setembro de 1972 - portanto, há 45 anos - na flor dos seus 34 anos, discursando pela paz.

sexta-feira, agosto 25, 2017

Cazo, no Comércio de Jahú, SP. A Charge Online.

terça-feira, agosto 22, 2017

Jornal norte-americano destaca a pujança da economia gaúcha, depois da enchente de 1941

Em julho de 1941, quando Porto Alegre - e a maioria das regiões do Rio Grande do Sul - começavam a se recuperar da Grande Enchente de maio que se tornou notícia na imprensa mundial, o jornal Globe, de Boston, nos Estados Unidos, publicou uma interessante matéria sobre o Estado gaúcho. Reproduzida pelo Correio do Povo, destacava o desenvolvimento da economia local e comparava o Rio Grande ao Texas - segundo a nota, o RS tinha mais do que o dobro das cabeças de gado daquele Estado norte-americano.

domingo, agosto 13, 2017

Miguel, no Jornal do Commércio (PE). A Charge Online.

domingo, agosto 06, 2017

Cientistas norte-americanos estudam benefícios medicinais da maconha: setembro de 1972

Se agora tem se falado tanto nas propriedades medicinais da maconha, o certo é que o tema é antigo, como se vê nesta notícia do Correio do Povo de 1972. Segundo a nota, cientistas norte-americanos estavam estudando a planta para seu uso no tratamento da leucemia. Mais recentemente, o Uruguai descriminalizou o uso da canabis, que passou a ser vendida legalmente em farmácias.

terça-feira, agosto 01, 2017

Os jornais noticiam a conquista do tetra estadual pelo Inter: agosto de 1972

No dia primeiro de agosto de 1972 os jornais de Porto Alegre noticiavam a conquista antecipada, pelo Internacional, do quarto título estadual de futebol consecutivo - o tetra, em uma época em que o gauchão tinha enorme importância. O jogo, em um domingo à tarde (30 de julho), aconteceu no Beira-Rio, contra o Esportivo, de Bento Gonçalves, com a vitória colorada por dois a zero - gols de Valdomiro e Escurinho. Com isso o clube papou antecipadamente o título, antes do último jogo, contra o Grêmio. A reprodução é do Correio do Povo, que não circulava às segundas-feiras. Ao lado a coluna de Ruy Carlos Ostemann, um dos maiores nomes da crônica esportiva do Rio Grande do Sul durante décadas.
Samuca, no Diário de Pernambuco. A Charge Online.

sábado, julho 22, 2017

Chapecó em 1972, uma cidade que já antevia o seu extraordinário desenvolvimento

Hoje com mais de 200 mil habitantes e uma das economias mais ricas e prósperas do sul do Brasil, Chapecó, no oeste catarinense (mais de 400 km de Florianópolis), naquele início dos anos setenta, já havia encerrado o ciclo da madeira, a época pioneira da derrubada de vastos pinheirais, nas primeiras décadas do século vinte - ciclo este que viria a formar o capital inicial que impulsionou o seu extraordinário desenvolvimento. Prestes a completar 100 anos de emancipação - o que acontecerá no próximo dia 25 de agosto - Chapecó é considerada um dos cinco mais importantes municípios de Santa Catarina e ostenta os títulos de "capital da agroindústria" e "capital das feiras de negócios". Grandes empresas de alimentos,  sobretudo no ramo de suínos e frangos, estão instaladas na cidade que se tornou, mais recentemente, conhecida dos noticiários internacionais pela tragédia que se abateu sobre o time local de futebol em sua viagem aérea para a disputa da final da Copa Sul Americana de futebol.
Na foto uma vista de Chapecó em 1972 - 45 anos atrás. Reprodução do Correio do Povo.
Alecrim, em A Charge Online.

quinta-feira, julho 20, 2017

Venda moderna e pra frente, com tutu bom. Vamos transar juntos? Joia bicho!

Os tempos passam, e as gírias de antigamente caem em total desuso - quando não se tornam até mesmo ridículas. Em 1972, na época das pantalonas e das jaquetas apache, uma loja de Porto Alegre (Moka do Kanto) publicou um anúncio "moderninho", apelando para a linguagem usual dos jovens urbanos da época, com expressões que fariam qualquer homem ou mulher dos dias atuais (incluindo os hoje sessentões) dar risos de bem humorada zombaria. Jóia, bicho, xuxu beleza, é isso aí amizade, vamos transar juntos (que na época não tinha significado sexual e sim o de interação ) expressões assim ficaram mais do que "quadradas" - simplesmente se tornaram ridiculamente infantis. Reprodução do Correio do Povo.

Sarah Vaughan em Porto Alegre: 17 de outubro de 1972



Na noite de 17 de outubro de 1972 os porto-alegrenses assistiram a um show que se tornaria histórico - pela primeira (e única) vez uma das grandes damas da música norte-americana, Sarah Vaughan, vinha a Porto Alegre, em uma única apresentação no antigo Teatro Leopoldina, na avenida Independência, local que era, à época, a principal casa dos bons espetáculos na capital gaúcha, já que o Teatro São Pedro estava decadente e em vias de ser fechado.  Sarah tinha lançado, naquele ano, mais um disco. Aos 48 anos, sua carreira havia sofrido altos e baixos, mas ela - nascida em março de 1924 e que viria a falecer em 3 de abril de 1990, devido a um câncer de pulmão - continuava a ser uma das grandes vozes e intérpretes da música mundial. No final daquela década de 70 Vaughan lançaria outro trabalho, reunindo músicos brasileiros, em especial da bossa-nova. O show no Leopoldina foi gravado pela Rádio Guaíba - ela veio patrocinada pela Companhia Jornalística Caldas Júnior e pelo governo do Estado - e apresentado no programa Discorama, de Osmar Meletti. Não seria má ideia achar tal preciosidade nos arquivos da Guaíba e reapresentá-lo 45 anos depois.

quarta-feira, julho 19, 2017

Alecrim, em A Charge Online.