Translate

segunda-feira, dezembro 14, 2015

Nani, em A Charge Online.

segunda-feira, novembro 30, 2015

Saudades da velha Casa Guaspari, no centro de Porto Alegre

Quem lembra da Porto Alegre de um tempo atrás - aliás, nem tanto tempo assim - recorda com saudade da Casa Guaspari, na Borges de Medeiros com a praça Quinze, em um prédio alto onde se encontrava uma grande variedade de produtos de qualidade, sobretudo vestuário. Um dos símbolos da capital gaúcha dos seus tempos mais charmosos e tranquilos, a Guaspari vestiu, durante décadas, homens, mulheres e crianças, até fechar as portas e seu edifício se transformar em uma dezenas de lojas comerciais populares. Neste anúncio publicado na Revista do Globo, em 1935, aparece o prédio original, que depois deu lugar ao "portentoso arranha-céu" dos anos finais. Bons tempos de uma Cidade Sorriso que já não é mais tão sorridente assim, dominada pela violência, mendicância e caos no trânsito.

quarta-feira, novembro 18, 2015

Os primeiros garis mulheres somente foram contratadas em 1975


Se hoje, conforme se vê, as mulheres ocupam praticamente todos os espaços profissionais (embora geralmente ganhem menos que os homens), há apenas quatro décadas a situação era muito diferente - para pior, é claro. A década de setenta - importantíssima para a luta da chamada "emancipação" feminina - representou um avanço importante na questão da igualdade de direitos. O ano de 1975, declarado pela UNESCO o Ano Internacional da Mulher, assistiu as primeiras mulheres contratadas como garis, realizando serviços de limpeza das ruas de cidades gaúchas - algo que, por seu ineditismo, gerou matérias nos jornais da época. E havia apenas três anos - mais exatamente em 1972 - a primeira motorista mulheres de ônibus de passageiros era admitida, em São Paulo, merecendo igualmente destaque nos noticiários. Outros tempos, como se vê, e nem tão distantes assim.

terça-feira, novembro 17, 2015

A espantosa potência da Rádio Farroupilha, inaugurada em 1935

A Rádio Farroupilha, a terceira emissora mais antiga do Rio Grande do Sul, foi oficialmente inaugurada em julho de 1935, com um show ao vivo de Carmen Miranda, que, grande nome da música brasileira, ainda não havia ido para os Estados Unidos e se consagrado como estrela internacional. Com uma espantosa potência de 50 quilovates na base, a Farroupilha - propriedade, entre outros, do então presidente do Estado, o general Flores da Cunha - era capaz de chegar aos mais remotos recantos do Brasil e da América do Sul, como se vê nesta reprodução de um anúncio da emissora publicado no Correio do Povo, exatamente naquele ano dos estrondosos festejos do centenário da Revolução Farroupilha, evento que mobilizou Porto Alegre e o Estado durante meses. 

A Assembleia Legislativa gaúcha, ainda inacabada, 50 anos atrás.

Em novembro de 1965 - portanto, meio século atrás -  o edifício da Assembleia Legislativa do Estado do Rio Grande do Sul ainda não havia sido concluído, em substituição ao velho casarão onde a "casa do Povo" funcionava anteriormente. Imponente, quase junto ao Palácio Piratini, na área mais central de Porto Alegre, a Assembleia gaúcha demoraria ainda mais de um ano para ter o aproveitamento parcial da construção que consumiu muito dinheiro e causou muito transtorno à região central da cidade. Naquela época Porto Alegre tinha cerca de 800 mil habitantes, o governador nomeado era Walter Perracchi Barcelos,e o País vivia ainda o início da chamada Revolução de Março - o golpe militar que derrubou João Goulart do comando da nação. O presidente, Castelo Branco, havia cassado direitos políticos de centenas de pessoas, mas ainda havia esperança de que o movimento militar deflagrado em 64 fizesse o Brasil retomar o curso da democracia - o que, como se sabe, não aconteceu. A reprodução é do jornal Correio do Povo, coleção do Arquivo Histórico Moyses Vellinho.
Mariano, em A Charge Online.

quinta-feira, novembro 12, 2015

O Grêmio é tetracampeão gaúcho de futebol


Em 1960, o Grêmio Porto-Alegrense sagrou-se tetracampeão estadual do Rio Grande do Sul, referente ao ano de 1959, ao vencer a equipe do Farroupilha, o ex-Regimento, de Pelotas, por 3 a 2. Naquele tempo, pelas dificuldades naturais de locomoção, o certame gaúcho era dividido em regiões, com um quadrangular na final. O tricolor contava com nomes legendários, como Ortunho, Airton e Juarez. Note-se que o jogo final aconteceu em 15 de maio de 1960, anacronismo que hoje soaria absurdo. Os times de Pelotas - então a segunda maior e mais importante cidade do Estado - eram tradicionais, fortes e davam muito trabalho à dupla Grenal. O Grêmio ainda seria campeão de 1960, vencendo o Pelotas, perdendo o título de 1961 para o Internacional, retomando-o no ano seguinte, assim seguindo até 1968, quando foi heptacampeão do Rio Grande do Sul, uma época de glórias para a torcida que comparecia em peso ao Estádio Olímpico.

domingo, novembro 08, 2015

Mariano, em A Charge Online.

Pedro Carneiro Pereira, histórico narrador da Guaíba, em julho de 1968

Em 1968 a Companhia Jornalística Caldas Júnior, com seus veículos líderes - Correio do Povo e Rádio Guaíba - virtualmente detinha o controle da opinião pública gaúcha, graças à incrível penetração da emissora e do jornal, esta último então o maior da região sul do Brasil. A Guaíba, com seu padrão elegante e sua grande potência e credibilidade, ditava as regras do bom gosto em rádio e contava com os melhores profissionais também no esporte. Era o caso do narrador Pedro Carneiro Pereira, o maior nome das transmissões futebolísticas da rádio de Breno Caldas. Além de radialista, Pedro tinha também o hobby de pilotar carros de corrida, o que lhe foi fatal no domingo, 21 de outubro de 1973, quando veio a falecer devido a um terrível acidente no autódromo de Tarumã, recentemente inaugurado. Ele tinha 35 anos e deixava mulher e filhos. Nesta reprodução do Correio, de 1968, Carneiro é notícia pela Copa do Mundo do México, que se avizinhava e a qual ele transmitiria diretamente pela Caldas Júnior. 

terça-feira, novembro 03, 2015

Nani, em A Charge Online.

Hoje o humorista Reinaldo faz 63 anos e Suzane Richthofen 32.

domingo, novembro 01, 2015

Miguel, no Jornal do Commercio, Recife. A Charge Online.

sábado, outubro 31, 2015

Grêmio conquista o pentacampeonato, em 1960

Em 1960 o Grêmio porto-alegrense, com um time memorável comandado por Osvaldo Rolla, o "Foguinho", sagrava-se penta campeão gaúcho, em uma época em que tal campeonato tinha um enorme peso esportivo. A reprodução é da Revista do Globo, acervo do Arquivo Histórico Moyses Vellinho, da prefeitura de Porto Alegre.

Cordeiro de Farias navegando nas proximidades da Renner, em 1941


Nestes dias em que as chuvas, e a consequente possibilidade de novas enchentes, atormentam Porto Alegre e região metropolitana, nunca é demais lembrar que tal flagelo - as cheias do Guaíba - são um dilema que remonta aos primórdios da colonização da cidade e que tiveram seu ápice na primeira metade do século 20, quando as inundações desalojavam dezenas de milhares de pessoas e se constituíam no principal problema para a população e a economia porto-alegrense. Nestas reproduções, vê, em primeiro, a matéria do Correio do Povo de 1937 (um ano antes ocorrera uma cheia extraordinária) cujo título "infelicidade que não tem fim" bem representa a gravidade do problema. Na segunda foto, da Revista do Globo, aparece o Interventor Federal (governador nomeado), Osvaldo Cordeiro de Farias, em visita à fábrica da Renner, então o maior estabelecimento industrial do Estado. A Renner, em maio de 1941, durante a histórica cheia, ficou com quase dois metros de água em seus interiores e teve grande parte das partidas de lã destruídas.

sexta-feira, outubro 30, 2015

Nani, em A Charge Online.



Hoje Diego Maradona completa 55 anos, o jogador Careca faz também 55, Paulo Nunes 44 e Natália Lage festeja seus 37.

Lupicínio Rodrigues, um dos vencedores do concurso de músicas carnavalescas de 1941

O carnaval de 1941 foi o mais animado dos últimos dez anos em Porto Alegre, e poucos imaginariam que, poucos meses depois, a cidade e o Estado sofreriam a terrível calamidade da grande enchente de maio. Em uma capital de cerca de 300 mil habitantes, com a elegante rua da Praia pontificando, músicos como Lupicínio Rodrigues, que não completara 27 anos (mas já era um nome reconhecido no País) participaram do concurso de músicas carnavalescas promovido pela prefeitura comandada por Loureiro da Silva (hoje considerado o melhor chefe do executivo municipal em todos os tempos), e que encerrava as comemorações do bicentenário da cidade, uma "forçação de barra" de Loureiro, que organizara os grandes festejos de 1940, bem ao estilo ufanista do Estado Novo. Na verdade o prefeito - descendente direto de Jerônimo de Ornellas, o povoador de Porto Alegre dos Casais - se baseara em um documento antigo para fazer retroagir a data primeira da capital gaúcha. A reprodução é do jornal Correio do Povo. Note-se que, naquela época, o auditório Araújo Vianna ficava em frente ao Palácio do governo estadual e era um anfiteatro não coberto.

quinta-feira, outubro 29, 2015

Luscar, em A Charge Online.

Norberto Jung vence o Circuito Farroupilha, em 1935



O Rio Grande do Sul, ao lado de São Paulo, foi, na primeira metade do século passado, o Estado líder no automobilismo de corridas no Brasil. Circuitos, como o Cristal e Zona Sul, mobilizavam dezenas de "ases do volante", nomes como Catarino Andreatta, Júlio Andreatta, Belmiro Guedes e Norberto Jung, entre outros. Em 1935, por ocasião dos festejos do centenário da Revolução Farroupilha, Porto Alegre transformou-se com a grandiosa exposição montada na Redenção, totalmente remodelada para os eventos, disputas e solenidades. Inúmeras competições esportivas, em todas as áreas, mobilizaram a cidade. Entre elas estava o Circuito Farroupilha, vencido por Norberto Jung, como se vê nestas reproduções da Revista do Globo de novembro 1935 pertencentes ao acervo do Arquivo Histórico Moysés Vellinho, da Prefeitura de Porto Alegre. Note-se os carros e, sobretudo, os equipamentos de segurança - na verdade apenas um capacete de couro que de nada protegia. Jung, na última foto, é festejado pela vitória, com um cigarrinho na boca.

segunda-feira, outubro 26, 2015

O "bafo tumular" da Borregaard, agora chamada de Riocell

Porto Alegre, sem exagero, pode ser dividida em duas, ou três épocas: antes, durante e depois da Borreegard-Riocell, empresa de celulose de origem norueguesa que se instalou no município de Guaíba durante o regime militar, aproveitando-se dos incentivos fiscais e até financiamento governamental. Logo a gigante nórdica mostrou que não viera ao Rio Grande do Sul para "promover o desenvolvimento", como apregoava a sua propaganda. Cínica, sem dar a mínima para população, hostilizada pela imprensa, a Borregard empestou durante anos os ares de Porto Alegre e região metropolitana, sem contar a poluição nas águas do Guaíba. Sem usar aqui os equipamentos anti-poluentes que se via obrigada a utilizar em países de Primeiro Mundo, despertou a ira da população e solidificou o movimento ecológico que então nascia, liderado pela Agapan - Associação Gaúcha de Proteção ao Ambiente Natural, ainda hoje existente. Nesta matéria do Correio do Povo, na época de Breno Caldas, ve-se o ódio que ela despertava. Mais tarde assumindo o nome de Riocell, e presidida por um general, obrigou-se a instalar os equipamentos necessários para não exalar o seu "bafo tumular.  
Nani, em A Charge Online,


Hoje Milton Nascimento completa 73 anos, Belchior 69 e Hillary Clinton 68.

segunda-feira, outubro 19, 2015

Luscar, em A Charge Online.

No tempo em que se viajava nos navios da Costeira

Navios da Costeira. O termo era mais do que usual no Rio Grande do Sul - e também no Brasil - na primeira metade do século, época em que a navegação de cabotagem, ao longo da extensa costa marítima brasileira, transportava centenas de milhares de passageiros, em viagens longas, fatigantes e extremamente agradáveis. Porto Alegre, a última capital brasileira, ao sul, vivia tudo isso intensamente, com grande movimentação de pessoas no cais do porto, no centro, um local ainda elegante e que centralizava, verdadeiramente, a vida da cidade. Em 1935, ano do centenário da Revolução Farroupilha, a Revista do Globo, da família Bertaso, publicava este anúncio, informando sobre a saída de vapores, de passageiros e de cargas, que seguiriam para outros destinos ao longo do litoral brasileiro. A Costeira, da família Lage, era a maior e mais prestigiosa companhia de navegação nacional naquela época, saudosa para muitos que hoje estão na casa dos oitenta anos.


Hoje Patricia Poeta faz 39 anos, Gloria Menezes 81 e Evander Holyfield 53.

sábado, outubro 17, 2015

Na morte de Miéle, ninguém lembrou de Sandra Bréa

A morte de Miéle, aos 77 anos, como destacaram, em clichê, todos os telejornais, me fez pensar em outra figura emblemática da minha adolescência e início de juventude, naqueles anos setenta: Sandra Bréa. Notei que todos - absolutamente todos - os canais que noticiaram o fato, lamentando o falecimento desse cara que sempre teve a mesma cara (é espantoso como sempre se pareceu fisicamente consigo mesmo, ao longo de décadas, da juventude à velhice), deixaram de falar naquela que foi a musa da sensualidade, o objeto de desejo masculino, a mulher invejada por outras mulheres, não só nos anos setenta como nos oitenta. Quando se via a bela Brea, imediatamente se pensava e se sentia: sexo, desejo, tesão.
Miéle fez um programa na Globo, na segunda metade dos anos setenta, chamado "Sandra e Miéle", em que os dois, em parceria e sintonia, dividiam a apresentação, ela com sua beleza, ele com seu talento. Não recordo bem como era o programa, até porque o tempo passou e meu Alzeimer evoluiu, mas achei no mínimo um lapso, para não dizer uma injustiça, sequer citarem o programa que ele, Miéle, fez com Sandra. Aliás, a imagem dela aparece somente ampassã, de longe, sem identificação, e fica-se por aí mesmo. Brea sequer é citada em algum momento.
Sandra Bréa, como se sabe - ou não se sabe mais - morreu de Aids, uns quinze anos atrás, pobre e abandonada. Foi capa de todas as revistas, e a imprensa usou muito a sua imagem para vender seu peixe e atrair leitores. Não deixou filhos, parece. Oficialmente, morreu de câncer, pois fumava muito, e a imunodeficiência não perdoou. Mais no final da sua curta vida (morreu antes dos cinquenta) foi casada, ou viveu, com o empresário gaúcho Artur Guarisse, também já falecido - aliás, dizem que foi ele que pagou os funerais da atriz.
Não conheci Sandra Bréa, não posso falar sobre ela além do que vi na telinha. Mas sei que foi uma das mulheres mais desejadas do país, certamente ganhou muito dinheiro, viveu uma vida holiudiana - e acabou pobre e quase esquecida. Posso estar sendo sentimental, mas acho que a Globo, a mídia e a imprensa não deveriam esquecê-la assim tão deliberadamente, enquanto se dedicam à vida amorosa de uns taos Chumbinho e Joelma. Também lembro do caso da Vanja Orico, atriz de talento, mulher culta, uma celebridade nos anos cinquenta com o filme O Cangaceiro (o primeiro premiado brasileiro no circuito internacional, com uma fotografia espetacular e uma trilha sonora idem), que morreu recentemente, e não saiu uma mísera linha em lugar nenhum. (Vitor Minas)

Nenhuma obra será capaz de deter o avanço do Guaíba: um ponto de vista de muitos técnicos, em 1941

Após a terrível enchente de maio de 1941, que deixou quase 80 mil pessoas sem teto, alojadas em postos públicos de salvamento, passou-se a  discutir os meios apropriados de se impedir que tão grande catástrofe se repetisse sobre Porto Alegre. Considerada um dos problemas mais vitais do Estado, a questão das cheias periódicas do Guaíba mereceu longas discussões, com variados e contraditórios pontos de vista. Muitos consideravam que nenhuma obra de engenharia seria capaz de impedir o problema, e que a solução mais racional seria a cidade adaptar-se ao crescimento das águas, incluindo novos padrões de construção. Em julho de 1941, logo depois do término da grande e histórica cheia, o dr. Cândido José de Godoy, em secretário do Estado gaúcho, escreveu esta carta ao Correio do Povo, rebatendo  ou corrigindo declarações anteriores.

quarta-feira, outubro 14, 2015

As impressionantes festividades do centenário farroupilha, em 1935

1935 foi um ano ímpar para os gaúchos, os quais realizaram impressionantes festividades e eventos para celebrar os 100 anos da eclosão da Revolução Farroupilha. Em plena Era Vargas, com o Estado presidido por Flores da Cunha, o Parque da redenção, remodelado, transformou-se em uma verdadeira cidade, com pavilhões e representações de muitos Estados brasileiros e outros países. Até mesmo um hotel-cassino foi instalado no local, e diversos presidentes - entre eles o próprio Vargas - compareceram ao evento, que iniciou em setembro e só terminou em meados do mês de janeiro do ano seguinte. Neste anúncio publicado na Revista do Globo, no final daquele ano de 1935, dá para se ter uma ideia do que foram as comemorações.

quinta-feira, outubro 01, 2015

As "10 mais top"do colunista social da Revista do Globo, em 1961




Houve uma época em que era comum a escolha, por parte dos colunistas sociais e outros afins, das "mais mais", ou "os dez mais". No Rio Grande do Sul, em 1961, quando Leonel Brizola era governador e a Capital não contava ainda 700 mil habitantes, isso também acontecia, como se vê nesta edição de dezembro da Revista do Globo. O colunista social Luiz Augusto - sabe-se lá bem o critério - escolheu as dez moças mais "top" daquele ano, todas, naturalmente, integrantes da alta sociedade porto-alegrense, a maioria das quais são hoje avós, embora certamente lembrem com carinho de tal época - 54 anos atrás.
Nicolielo, em Jornal de Bauru. A Charge Online.

Rádio Itaí é a terceira mais ouvida em Porto Alegre: 1961.

Em abril de 1961 o Instituto Brasileiro de Opinião e Estatística, IBOPE, divulgou o resultado de uma pesquisa com os ouvintes de rádio em Porto Alegre, a qual constatou que a Rádio Gaúcha - a pioneira no setor - despontava em primeiro lugar, seguida de perto pela Farroupilha. Em terceiro lugar vinha uma rádio muito importante e ligada à história do radialismo em Porto Alegre, a Itaí, que não mais existe. Quarta emissora a surgir na Capital, no início dos anos cinquenta, a Itaí deixou saudades. A reprodução é da Revista do Globo - que também não mais existe.

domingo, setembro 27, 2015



Hoje Gwyneth Paltrow faz 43 anos, Denis Carvalho 68 e Raul Plassmann 71.