Translate

sexta-feira, novembro 26, 2010

Gozado isso. Não estou atualizando o blog e mesmo assim, esses dias, cheguei a 10 mil acessos nos últimos 30 dias. Devem ser as matérias antigas. Mas confesso que a mídia eletrônica, por mais atraente que possa parecer, não é muito minha praia. Observei que a maioria dos que acessam este blog fica ali uns 30 segundos. Isso mesmo: trinta segundos. O que um sujeito lê em 30 segundos? Então é melhor nem me acessar.
Sinal dos tempos. Tudo muito superficial, rápido, descartável.
Só agora recebi a minha primeira parcela do Google, dos acessos ás publicidades. Em anos e anos de blog (acho que comecei em 2006) consegui faturar esplendorosos 230 reais. E olhe que demorou. Bom, pelo menos me pagaram. Eu já achava que teria que dar queixa.
..............................................
Estou na biblioteca da PUC.
É sexta-feira e está tudo calmo. Uso essa estrutura toda, que é realmente invejável. Tem pouca gente hoje. Choveu durante o dia.
Passei na Famecos. O pessoal nãoe stava muito animado hoje. Deve ser o dia. Cafezinho a um real, só que é Nescafé. Daqui a pouco mais de um mês isso tudo vai estar ás moscas, a biblioteca começará o seu horário de verão, o que é sempre ruim.
...............................................
Verão, pra mim, não é das melhores coisas. Já gostei do verão, ou pensava que gostava. Hoje sou mais o inverno. Verão não é o mundo real. Além do calor infernal desta cidade de Porto Alegre, tem aquelas coisas que a gente bem sabe, todo ano: Big Broder na tevê, carnaval, mosquito, mosca, barato, suor, moleza, noites de insonia.
A idéia é ir para a beira do Guaíba pelo menos alguns dias. Quem conhece, sabe: o Guaíba é um rio bom (não me digam que é lago), manso, de águas quentinhas, onde a gente pode nadar em paz. Está despoluído do Belém Novo pra prás, o que já é alguma coisa.
Há tempos não nado. Incrível isso, já que adoro água, adoro nadar. Este verão vai ser o verão em que vou me reencontrar com a água, depois de tanto tempo.
..................................................
Acho que vou começar a usar esse espaço
pra escrever as minhas besteiras pessoais. Não custa nada, nem sei quem é que vai me ler. Mas alguém vai ler, lá em Pindamonhangaba.
A propósito: São Paulo é, disparado, o local que mais acessa o Conselheiro. Em segundo vem o Rio de Janeiro e em terceiro Porto Alegre.
Hoje andei procurando velhos amigos no Google, ex-amigos talvez. Que bom que eles me esqueceram, assim não tenho débito alguma. Aqui proceis.
É bom ser esquecido, dá um estímulo e tanto. E, nos grandes incêndio, a primeira coisa que queima é o livro de "contas a pagar".
Não sei porque disse isso. Ninguém me deve, pelo contrário. Mas acho a frase engraçada, me faz rir.
"Me leva aos paroxismos da hilariedades, faz-me rir a bandeiras despregadas". Também li essa frase em um jornal antigo, dos anos quarenta.
Naquele tempo eles chamavam todo mundo de "bom homem". E hospital era nosocômio. Deficiente mental era "retardado mental".
A gente se desacostuma dessas expressões, que até chocam.
Retardado mental é o dono de um bar que conheço. Disse pra ele que estava completando 89 anos e ele me olhou sério e disse: "E tu é um mentiroso".
Brasileiro não entende ironia, nem a mais primária. Acho que foi o Nelson Rodrigues que disse isso. O povão, com certeza, não entende ironia, nenhuma ironia. Então a gente tem que tomar cuidado.
......................................................
Uma amiga - cujo blog acessei - anda escrevendo a vida dela. Mora lá em uma praia do Nordeste, já viajou o mundo, tem muitas histórias, lê pra caramba, é dona de um sebo na beira da praia, muito badalado e que até já foi matéria do Fantástico. Uma celebridade local, a moça. lembro dela uns quinze anos atrás, ou mais. Irmã de uma outra ex-amiga, que agora ganha uma bela grana com negócio de tecelagem.
Pois é. A moça lê pra caramba mas escreve mal pra burro. Vai ver que é o estilo, só pode ser. Ou estava chapada e vomitou tudo na tela, sem cuidar do português.
.......................................................
A gente vai ficando velho e debochado. E nostálgico também. Mas não vale a pena - a nostalgia, bem entendido.
O ano tá acabando e acho que o outro deve ser melhor. Já enfrentei anos piores que este que está acabando. Me lembro quando estava na cama, com oito parafusos no tornozelo, inútil, só vendo tevê e tendo que andar de muletas. Até hoje me sinto solidário a todos os homens e mulheres de muleta do mundo.
Como disse Kafka (estou meio erudito hoje): a religião é a muleta das almas paralíticas.
Ah, como me invoco com os que dizem "papai do céu"! Prefiro os que tiram ranho do nariz e os que chupam os dentes depois das refeições.

Nenhum comentário: